6 erros de orçamento comuns que você não deve cometer

Durante minha jornada de consultor financeiro, revisei o orçamento de muitas pessoas. Nunca são exatamente iguais, pois as pessoas têm diferentes rendas, despesas fixas, prioridades e muito mais. Isso era de se esperar. Quando se trata de orçamento, não existe um modelo único para todos.

No entanto, também existem certas abordagens de orçamento que tornam o gerenciamento do fluxo de caixa mais fácil e eficaz, independentemente das circunstâncias específicas. Infelizmente, o uso dessas abordagens é muito raro. Como resultado, aqui estão os erros mais comuns que vejo nos orçamentos das pessoas. 

6 erros de orçamento comuns que você não deve cometer
Foto: (reprodução/internet)

Veja também: 7 etapas para um orçamento bem-sucedido

1. Não colocar as coisas mais importantes em primeiro lugar

Fazer um orçamento não consiste apenas em colocar todas as suas receitas e despesas mensais no papel. Trata-se de orientar o uso do dinheiro de uma forma que lhe permita viver de acordo com suas possibilidades e buscar as prioridades que são mais importantes para você.

Isso ajuda muito a projetar seu orçamento com economia, investimento e, se isso for importante para você, coloque no topo da seção de despesas. Liste-os primeiro em seu orçamento e subtraia-os de sua renda antes de definir suas verbas para moradia, transporte, roupas e tudo o mais. 

Tentar cuidar dessas prioridades com o dinheiro que sobra após os gastos do estilo de vida geralmente deixa você sem nada para economizar, investir ou dar. Além de não te dar um incentivo maior para guardar. 

2. Não fazer orçamento para manutenção de casa e carro

Uma das melhores maneiras de manter baixos os custos gerais de moradia e transporte é manter a manutenção da casa e do veículo e fazer os reparos constantemente. Isso será muito mais fácil se você alocar dinheiro para esses fins em seu orçamento mensal.

Quando se trata de casa própria, parece que sempre há algo que precisa de atenção, de uma porta que range a uma torneira que vaza e um forno que não acende. Dependendo da idade e das condições da sua casa. 

Se você possui um condomínio ou residência urbana, deve conseguir economizar. Certifique-se de saber pelo que você é responsável e pelo que sua associação é responsável. Você não gastará esses valores totais todos os meses, mas em alguns meses gastará muito mais. 

Durante os meses em que você não gasta todo o orçamento de manutenção e reparos de sua casa ou veículo, não gaste esse dinheiro em outra coisa. Deixe-o acumular, seja em sua conta corrente ou em uma conta poupança destinada a contas e despesas periódicas.

3. Não fazer orçamento para contas e despesas periódicas

IPTU, IPVA entre outros,  são exemplos de faturas ou despesas que não ocorrem todos os meses, mas que precisam ser pagas em algum momento do ano. Se você não planejar com antecedência essas despesas grandes e irregulares, elas podem acabar com o orçamento. Outros exemplos incluem seguros, presentes de fim de ano e férias.

Aqui está o que fazer. Inclua um duodécimo do custo anual de cada um desses itens em seu orçamento mensal. Em seguida, transfira o total de todos esses valores mensais para uma conta poupança dedicada a essas despesas. Dessa forma, quando a conta vencer, haverá dinheiro reservado para ela. 

6 erros de orçamento comuns que você não deve cometer
Foto: (reprodução/internet)

Veja também: Como ajudar seus filhos em seus primeiros orçamentos

4. Não fazer orçamento para despesas diversas

Ter um orçamento baseado em zero é uma meta digna. Isso significa que a receita menos as despesas é igual a zero. No entanto, criar um orçamento em que cada centavo de receita seja alocado para uma categoria de despesas específica é muito mais fácil do que seguir esse orçamento. 

Não importa o quão detalhado seja seu plano, sempre parece haver algumas despesas que simplesmente não se enquadram em uma de suas categorias pré-planejadas.

Para lidar com isso, defina um orçamento mensal para despesas diversas. Mas não muito, 200 reais é um bom limite. Se os itens diversos começarem a ser mais altos do que isso, veja se algumas dessas despesas são semelhantes o suficiente para justificar sua própria categoria.

5. Pensar que você pode viver sem diversão

Você não pode. Claro, você pode economizar muito dinheiro se sentar em uma sala escura e beber água. Mas por quanto tempo você consegue manter isso? Este orçamento falhará 100%

Além disso, um orçamento consiste em assumir o controle de suas finanças para que você possa gastar seu dinheiro arduamente ganho em coisas que realmente importam para você. É sobre viver a vida que você deseja viver. Se você parar de se divertir, qual é o motivo?

Uma regra geral é fazer um orçamento entre 5% e 10% do seu salário para se divertir. Isso pode mudar dependendo de emergências ou grandes objetivos de economia, mas a lição importante é ter certeza de levar em consideração algum número aqui.

6. Deixar de revisar seu orçamento

Conforme sua situação financeira muda, seu orçamento também muda. Você recebeu um aumento? Altere o orçamento. Você gastou muito dinheiro em presentes? Altere o orçamento. Inscreveu-se em um novo serviço pago? Legal, mas mude o orçamento.

Com que frequência você deve revisar seu orçamento? Todo mês. Eu recomendo, duas vezes, pelo menos. Ao fazer isso, pergunte-se o seguinte:

  • Todas as minhas despesas foram contabilizadas?
  • Todos os meus fluxos de receita são refletidos?
  • Estou gastando demais em algo que não me interessa ou não preciso?
  • Estou acompanhando bem minhas metas de economia?
  • Estou pagando a dívida certa? 

Especialmente se você é novo no uso de um orçamento, pode haver uma série de frustrações que o tornam tentador para sair. Evitar esses erros comuns de orçamento ajudará muito a diminuir o fator de frustração e isso deve ajudá-lo a perseverar nele.

6 erros de orçamento comuns que você não deve cometer
Foto: (reprodução/internet)

Veja também: Aposentadoria: Tudo começa com um orçamento

Traduzido e adaptado por equipe Cotação Seguro

Fontes: Wise Bread / Kasasa