A próxima década trará mais capital de risco para mulheres

A próxima década trará mais capital de risco para mulheres
Foto: (reprodução/internet)

A década passada foi uma década de progresso lento no financiamento para fundadoras. No entanto, a década que irá se iniciar testemunhará um progresso acelerado à medida que os investidores virem ainda mais provas de que investir em mulheres traz retornos estelares.

Fundadoras do sexo feminino deram pequenos passos em frente com outros maiores vindo a seguir. Os fundadores buscam capital de risco para expandir suas empresas rapidamente, em tamanho e avaliação, para que possam capturar oportunidades de mercado que valem bilhões de dólares.

Durante a última década, a porcentagem de negócios com mulheres nas equipes fundadoras quase dobrou, de 7,9% para 15,7%, de acordo com a atualização do PitchBook de 6 de dezembro de 2019. Embora o crescimento em dólares das equipes fundadoras com mulheres seja menos dramático, ainda assim é notável. Entre 2009 e 2019, o percentual passou de 6,9% para 11,5%.

Em 2019, uma quantidade recorde de capital de risco (US $ 17,2 bilhões) foi levantada por empresas emergentes fundadas por mulheres nos Estados Unidos.

No entanto, como uma porcentagem de negócios e dólares, esse valor está abaixo dos recordes estabelecidos em 2017. De forma impressionante, em 2019, mais empresas de tecnologia que ultrapassaram a avaliação de US $ 1 bilhão criadas por mulheres nasceram .

Veja também: 7 maneiras de colocar suas finanças em melhor forma para o novo normal

Os desafios mais significativos 

Mulheres negras e latinas enfrentam os desafios mais significativos na obtenção de capital de risco. As mulheres negras representam 42% dos novos negócios de propriedade de mulheres, de acordo com o American Express 2019 State of Women-Owned Businesses.

Isso é três vezes sua participação na população feminina ( 14% ). As mulheres latinas representam 31% dos novos negócios de propriedade de mulheres, quase o dobro de sua porcentagem da população feminina ( 17% ). Apenas 4% das fundadoras que levantaram fundos de capital eram negras e 2% eram Latinas, de acordo com o Project Diane 2018 da digitalundivided.

Mas mesmo aqui, o progresso está sendo feito. Entre os relatórios de 2016 e 2018, o número de empresas emergentes fundadas por mulheres negras que recebem capital de risco aumentou 2,5 vezes. “Investir em empresas emergentes com pelo menos uma fundadora faz sentido do ponto de vista econômico”, observou Pam Kostka, direto executivo da All Raise. A missão da All Raise é acelerar o sucesso das fundadoras e financiadoras.

“Temos melhores resultados quando os financiadores e fundadores refletem os mercados que atendem.” As empresas com fundadores do sexo feminino tiveram desempenho 63% melhor do que os investimentos com equipes fundadoras exclusivamente masculinas.

Empresas fundadas por mulheres rendem duas vezes mais por dólar investido do que aquelas fundadas por homens. Apesar de serem menos propensos a levantar fundos subsequentes, as equipes fundadoras com mulheres têm mais probabilidade de sair e ter uma taxa interna de retorno.

A diversidade de gênero gerou retornos mais elevados e um menor risco de fracasso do que as equipes de aquisição de capital privado exclusivamente masculino. Empresas com mulheres em suas equipes fundadoras fornecem rotas mais rápidas de saída e o número de saídas dessas empresas está crescendo a uma taxa mais rápida do que para empresas com fundadores apenas homens.

Veja também: Por que contar a história e os valores da sua empresa conquista as pessoas?

Traduzido e adaptado por equipe Cotação Seguro

Fonte: Forbes