Veja como enfrentar as dificuldades com o fluxo de caixa

O fluxo de caixa possui diversas formas, sendo que o mais importante é que o empresário e gestor veja a importância de fazer essas contas. Mesmo assim, não é incomum encontrar empresas que passam pelas dificuldades com o fluxo de caixa.

Por outro lado, todo empreendedor deve ver os resultados desse fluxo, que vai desde a análise do resultado até a apuração do valor financeiro da empresa. Então, resumidamente, isso aí não é somente para saber quanto entra e quanto sai de dinheiro no dia.

Inclusive, atualmente, a gente tem diversos tipos de modelos de fluxo de caixa que podem ser usados. Por exemplo, tem os mais diretos, que são para ter uma visão diária do caixa da empresa. Também tem o projetado, que é pensado mais no longo prazo.

Do curto para o longo prazo

Puxando o assunto para esse primeiro tópico, que já é uma dica para quem quer enfrentar as dificuldades com o fluxo de caixa, considere que o ideal é sempre considerar o fluxo de caixa a partir do dia seguinte das operações até meses à frente.

Dessa forma, o gestor financeiro deve programar informações comuns e até mesmo os riscos. O pessoal da Uninter fala sobre isso também. Eles avaliam que um recebimento programa para 15 dias vai pesar frente a um produto vendido a prazo para 30 dias, por exemplo.

ANÚNCIO

“Nesse caso, nós já programamos o fluxo de caixa projetado como o não recebimento no esperado, mas com um atraso previsto”, indica a Uninter. Isso vale até mesmo para o micro e pequeno empreendedor, que deve saber a diferença de fluxo de caixa e demonstrações.

Logo, anote aí, receita, custo e lucro, por exemplo, são métricas de contabilidade. No entanto, muitas vezes são encaradas como métricas de caixa. Obviamente, são coisas diferentes.

“Uma empresa pode estar gerando caixa sem saber que está no prejuízo, pois vai ter contas para pagar no futuro. Para um empreendedor menor é importante ter alguém que auxilia nas decisões do dia a dia para ajudar a montar os demonstrativos financeiros”.

A margem de lucro

Mais um dos pontos a serem analisados por quem está passando por dificuldades com o fluxo de caixa, saiba que manter uma margem de lucro saudável em todos os momentos é um dos meios de ter sucesso nessa área da empresa.

Essa margem de lucro tem que ser comparada sempre. Ao menos, isso é o que indica André Buchaim, que é COO do Adianta, uma fintech que faz a gestão de vários negócios aqui no Brasil.

Para ele, os fluxos de caixa passados, os atuais e o planejamento financeiro devem sempre serem analisados e comprados – isso para verificar a evolução da empresa. “

De forma clara, passa a comparar a performance passada com a atual e planeja-se o futuro. Dessa forma, fica mais fácil gerenciar a empresa, saber quais os rumos que estão sendo tomados e onde estão os eventuais pontos de atenção”.

A tesouraria

Outra área de destaque deveria ser a tesouraria. Inclusive, isso é o que diz outro especialista em mercado, o Reginaldo Stocco. Para ele, quando se trata de gestão de tesouraria, o dinheiro sempre tem custo.

Por que? Porque sempre é usado para empréstimo ou deixando-o parado.

“É sempre importante estar preparado para quando o plano não funcionar e ter em mente que, às vezes, é mais barato você tomar dinheiro no mercado do que deixa-lo parado no banco”, afirma Stocoo.

E complementa: “Para isso, é importante saber qual é o WACC (Custo Ponderado de Capital) na estrutura financeira da empresa e definir os cenários dentro da estratégia do negócio”, lembra.

Os períodos sazonais

Outro ponto tem a ver com os períodos sazonais, que nada mais é que que aqueles momentos onde as vendas são menores, já que não representam bons períodos para o comércio, por exemplo. Sendo assim, todo cuidado é pouco.

“O fluxo de caixa projetado geralmente é programado para um ano, com revisões constantes. Por isso, é possível projetar até mesmo pagamentos e recebimentos futuros, dentro da experiência anterior revista. Parece complicado, mas é mais simples do que se imagina”.

Afinal de contas, saiba que as sazonalidades acontecem e são até que comuns. Especialmente na vida do empreendedor que trabalha diretamente com varejo e comércio, por exemplo.

Mas, a solução simples, que esses especialistas recomendam para quem vai enfrentar as dificuldades com o fluxo de caixa é ter um fluxo de caixa controlado. Ou seja, o melhor vai ser para quem consegue guardar dinheiro em momentos bons e usar para cobrir despesas.

Como se chega no fluxo de caixa controlado?

Para chegar a esse ponto – de ter um fluxo de caixa controlado, saiba que existem alguns erros bem comuns, que devem ser evitados.

O primeiro desses cuidados é misturar as despesas pessoais com as empresariais, pois costumam confundir o fluxo de caixa, tornando difícil a identificação dos valores das entradas e saídas.

“Há também um ajuste simples que pode ser feito para melhorar a organização, que é a separação dos gastos por categoria, por exemplo. Entender de maneira fácil para onde está indo o dinheiro ajuda muito a controla-lo e fazer cortes quando necessário”.

dificuldades com o fluxo de caixa

A frase é do fundador da BizCapital. Entre outras medidas a tomar cuidado, está a emissão de um pró-labore ou distribuição de resultados de forma antecipada podem ser danosas ao fluxo.

“Compras ou aquisições malfeitas, nas quais a empresa passa a ser obrigada a tomar dinheiro emprestado para superar os momentos de crise, e estes juros no futuro acabam comprometendo o negócio, também devem ser evitadas” aconselha.

ANÚNCIO