Conheça essas 2 maneiras de fazer dívidas menos ruins

Hoje em dia se criou uma ideia de que existe a dívida boa e a dívida ruim, não é mesmo? Mas, não existem dívidas boas. Se assim fosse, não seriam dívidas. Por outro lado, a gente tem que assumir que existem dívidas menos ruins.

E você sabe o que é uma dívida menos ruim? Bom, é fácil entender: a dívida comum é aquela que você compra parcelado. Aí, você tem uma dívida até que termine de pagar. Já a dívida menos ruim é quando você compra algo parcelado que vai te ajudar, de alguma forma.

Conheça essas 2 maneiras de fazer dívidas menos ruins

A gente vai trazer aqui 2 exemplos de dívidas menos ruins que são comuns hoje em dia.

As dívidas menos ruins

Você acha que comprar alguma coisa de forma parcelada é um bom negócio? Não. Claro que não. Isso porque no parcelamento sempre há juros. E se o estabelecimento diz que não há, saiba que é mentira. Isso porque ele já embutiu o valor dos juros no valor do produto.

Bom, então, como será que a gente faz para parcelar compras e ter uma dívida menos ruim?

Isso vai depender do uso do produto que você parcelou. Já vamos explicar para você entender de forma muito simples. Assim, você vai começar a ver a vida financeira com outros olhos.

1 – O imóvel

Você está pagando o aluguel do imóvel onde mora?

E se você trocar essa conta (no mesmo valor) por uma prestação de um imóvel próprio?

Você vai continuar com a dívida (que é o valor do aluguel). Só que agora você vai estar pagando algo que será seu no futuro. Por isso, ainda é uma dívida, mas menos ruim.

Consegue ver a diferença?

Essa é uma boa ideia para quem paga aluguel. Agora, considere que há outros custos envolvidos ao financiar um imóvel, por isso, o valor da parcela nunca deve ser maior do que o valor que você já paga de aluguel.

E, além disso, pode ser que você tenha que dar uma entrada, pagar impostos, etc.

Por isso, não saia por aí trocando tudo. Estude primeiro!

2 – O carro

Comprar o carro novo também pode ser uma dívida menos ruim.

Como? Bom, vamos supor que você tenha um gasto X de transporte. Aí, que você faz um planejamento e vê que se tiver um carro próprio vai conseguir aumentar as vendas e ganhar mais no mês.

Então, dá para pensar em diminuir o gasto que você tem com o transporte e comprar o carro, pensando que em algum tempo o valor de juros do financiamento vai ser pago pelo valor a mais que você está ganhando nas vendas.

Nesse caso, também vai ser preciso fazer um belo de um estudo para saber se vale a mesmo a pena.

Geralmente, há pessoas que usam o carro para fins pessoais e profissionais. Aí, nesses casos, costuma valer a pena. Mas é preciso considerar muitos pontos: desde o tipo de financiamento até a escolha de um carro econômico.

O jeito, novamente, é um só: estudar as possibilidades e fazer as contas.