10 ideias que você precisa ter na hora de contratar o seguro para o seu celular

O mercado de seguros de celulares cresce 15% ao ano, mas alguns consumidores ainda tem dúvidas sobre esse isso. Separamos algumas dicas para você não ser pego de surpresa na hora de contratar o seguro.

Segundo o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, o IDEC, muita gente descobre que a cobertura das seguradoras não garante furtos simples ou quedas na piscina, por exemplo.

10 ideias que você precisa ter na hora de contratar o seguro para o seu celular

1 – A reputação da seguradora

Mesmo sabendo que a segura é de grande porte, vale a pena checar se ela está regularizada no Susep.

O Susep é o órgão que regula os mercados de seguros. Para isso, faça uma consulta nesse órgão.

Outra dica é procurar reclamação e a opinião de outros consumidores no reclame aqui.

2 – Os aparelhos novos

Muitas seguradoras não cobrem celulares que têm mais de um ano de uso.

O que pode acontecer é o seu seguro ser renovado, diante de um novo pagamento.

Então, se optar por adquirir um seguro, faça isso enquanto o seu aparelho ainda for novo.

3 – As propostas

Quanto mais caro for seu aparelho, mais caro também é o seguro dele.

Em duas seguradoras, a Mapfre e a Zurich, o valor do seguro para celular quase atinge os 25% do valor do aparelho.

É essencial entender os detalhes da cobertura, jamais fechar o seguro com a primeira seguradora. Analise diferentes propostas.

4 – A carência e o valor da franquia

Geralmente o consumidor tem que pagar uma percentagem do valor do aparelho ou do reparo se precisar acionar a apólice. O nome disso é franquia.

É importante você ter conhecimento dessas regras para evitar surpresas desagradáveis se precisar acionar o seguro e não ter seu orçamento prejudicado.

Há também um período de carência para que o consumidor possa acessar o seguro.

Geralmente, 30 dias após o fechamento do contrato.

5 – As coberturas

Entenda uma coisa: Roubo qualificado é quando você tem seu armário, ou bolsa ou mochila abertos e o aparelho foi subtraído do interior desses objetos.

O furto simples é quando você esquece o aparelho sobre uma mesa, por exemplo, e quando se dá conta, ele não está mais ali.

6 – O aparelho ou a indenização?

As seguradoras dão, geralmente, um celular novo compatível ao furtado para o consumidor como forma de indenização.

Outras reembolsam o valor da nota fiscal do aparelho. Avalie o que for melhor para as suas necessidades e observe essa condição no contrato.

7 – As alternativas

Existem outras formas de proteção para o seu celular.

Entre elas, está a própria garantia do aparelho fornecida pela marca.

Geralmente é de 12 meses após a data da compra. Você economiza se fizer o seguro apenas contra roubos e furtos.

8 – O Boletim de Ocorrência na Polícia Civil

Nos casos de roubo e furto, lembre-se de registrar um Boletim de Ocorrência na Polícia Civil. Sem ele, nenhum seguro tem garantia!

9 – A Nota ou o cupom fiscal

Também faz parte do seguro.

Como é que você vai provar pra seguradora que você ainda possui um aparelho celular sem possuir a nota fiscal?

10 – Acionar o seu seguro

Qualquer mentira ou omissão de informação sobre o sinistro pode impedir que você acione a sua apólice, sendo assim, clareza é fundamental.