Veja porque você poderia investir no mercado de games

Atualmente, a maioria dos jogos acontecem por meios eletrônicos. Ou vai dizer que você nunca ouviu falar de aplicativos gratuitos, de jogos online, plataformas mobile? Mas, não somente por isso é que você deveria ou poderia investir no mercado de games. Existem também outros motivos.

Inclusive, uma recente pesquisa feita da Blend New Research, com a ESPM e a agência Sioux Group, mostrou que mais de 65% dos brasileiros jogam videogame. Além do mais, o nossos país fica na 13ª posição nesse tipo de consumo. Através de referências como Estados Unidos, China e Japão.

Apenas com esse dado, já dá para imaginar porque o mercado que estamos citando aqui é uma mina de ouro, né. Aliás, essa também é a opinião de muitos especialistas, que dizem que “o mercado de games no Brasil segue um caminho muito parecido com o mercado de animação, de crescimento muito forte”.

Essa frase acima foi retirada de uma revista impressa. E o especialista ainda complementa dizendo que: “Com certeza ele vai superar, em termos de resultado, o que a animação já é hoje no Brasil, tanto sendo uma referência mundial como de mercado e de resultados”.

Para ele, existem uma ótima expectativa para os próximos 5 anos. Que é a de que “essa indústria alcançará patamares muito relevantes”. No entanto, quando se fala em mercado de games, a gente não fala apenas dos videogames, né. Abaixo, temos alguns exemplos para você conhecer e saber mais do mercado.

ANÚNCIO

Um game para descobrir enigmas!

Um bom exemplo que temos hoje em dia é o escape room. Esse é um jogo onde o jogador e seus amigos precisam pensar em conjunto para descobrir enigmas. Um dos atrativos é que também é preciso fugir de salas temáticas.

Assim, o Escape 60 foi um dos primeiros do gênero, criado em junho de 2015. Aliás, esse título vem do tempo que os competidores têm para conseguir escapar: que nada mais é do que 60 minutos.

“Temos diversos tipos de público: crianças, festas, corporativo, entretenimento, escolas, enfim, recebemos público de diversos locais e propósitos distintos. Isso faz com que o franqueado precise ter um trabalho comercial muito forte na sua região, não se limitando a esperar que o cliente entre na loja”.

A frase acima é de Jeannette Galbinski, sócia-diretora de marketing do Escape 60.

Uma franquia para criar games!

Porém, a gente sabe que os jogos nasceram um dia de alguma ideia, não é mesmo? Então, pensando nessa personalização, por que não criar o próprio game, do zero? É nisso que outras franquias se baseiam, como é o caso da Happy Code.

A rede de franquias oferece cursos de programação, a criação dos jogos, de aplicativos para smartphones, robótica, produção e edição de vídeos para jovens e adolescentes, além de outros públicos.

“Precisa ter conhecimento do mercado local onde atuará, conhecimento comercial e de planejamento. Além disso, os relacionamentos locais farão toda a diferença no resultado do negócio”, aponta o cofundador César Martins.

Um game educativos para jovens e crianças!

A Be.Byte é outro exemplo de ideia que deu certo para quem quer investir no mercado de games. A marca foi criada na Flórida, nos Estados Unidos e chegou ao Brasil em 2017. O foco é o de inserir os jovens e crianças no mercado 4.0.

Conheça 3 franquias de games para investir no Brasil

“Franquias do segmento de educação enfrentam a oferta. Você tem hoje em dia milhões de marcas de cursos de idiomas mostrando que o inglês é a profissão do futuro e a necessidade para o mercado de trabalho, mas a verdade não é essa, somente saber inglês”, comenta afirma Alex Roger, fundador.

Para ele, o maior desafio de todo mercado é fazer com que o aluno queira ir e fazer com que os pais queiram matriculá-los em aulas e cursos. Por isso, a proposta da empresa é alinhar todos estes pontos: a criança quer estudar porque é algo que elas amam, precisa estudar porque é um tema do futuro.

Os cuidados na hora de abrir uma franquia de games

investir no mercado de games

Jeannette Galbinski, do Escape 60, que foi o nosso primeiro exemplo, o “brilho nos olhos” é o que mais conta na hora de abrir uma franquia de jogos.

“Além disso, precisa de um bom tino comercial e de marketing para trabalhar a sua praça. É um negócio que exige a presença do dono para que seja lucrativo”, complementa. “O franqueado precisa estar disposto a atuar em um mercado novo e participar ativamente desta construção”.

Além do mais, como toda franquia, o alto risco está intrínseco ao projeto, sendo que pode dar certo e você ganhar muito dinheiro com isso. Mas, também pode dar errado e você falir. O segredo vai ser ter um bom planejamento.

Para Arthur Nunes, da ACATE, falta ousadia ao empreendedor brasileiro. “Os investidores brasileiros, de certa forma, não estão acostumados nem entendem muito sobre este mercado e este segmento. Então, há uma dificuldade de os investidores olharem para este segmento com desejo”.

Para ele, o seu segredo pode estar em ter um projeto forte de desenvolvimento, com pessoas dispostas a aprender sobre o mercado e nunca ficarem estacionadas na tecnologia. “A gente fala não só sobre tecnologia, mas de criatividade também, análise de tendências, e isso é bem importante”, finaliza.

ANÚNCIO