Conheça 5 dicas simples para montar um e-commerce de moda

Na hora de montar um e-commerce de moda, você leva em consideração o que exatamente? Se você não pensa no produto, na marca, na plataforma ou no nicho, saiba que está começando errado. Abaixo, vamos explicar cada uma dessas etapas. Continue lendo para abrir o próprio negócio da forma certa.

 1 – O tipo de produto

A primeira dica que trouxemos aqui é sobre o tipo de produto que você vai vender. Afinal de contas, moda é um assunto muito amplo, chamado de mercado. Mas, uma boa ideia é você pensar em mini ou micro nichos.

Afinal, as marcas que ditam as tendências ao mercado exigem qualidade dos itens e os preços mais altos. Por isso, para quem está em fase de montagem de uma loja virtual pensar nesses produtos de alto padrão pode não ser algo tão viável como parece.

Logo, a melhor alternativa é o “fast fashion”, que segue as tendências ao invés de cria-las, priorizando a competitividade a preços baixos. Atenção: não estamos falando em vender produtos de qualidade ruim, ok? Não é isso, mesmo!

ANÚNCIO

Mas, saiba que nesta opção, trabalha-se minicoleções, que são mais econômicas, mais versáteis e que podem ser substituídas a cada 25 ou 30 dias, na média.

2 – O conceito da sua marca

Outra coisa importante para quem vai montar um e-commerce de moda tem a ver com a criação do conceito da marca. Isso porque na moda é preciso ter um conceito integrado a um estilo próprio. Nesse caso, quanto mais original você for, melhor será.

Mas, como se cria esse conceito? Conhecendo e estudando a personalidade do cliente que você terá. Afinal, ele pode ser uma pessoa que gosta de esportes, de rock, do público infantil.

Basicamente, você tem que saber que o estilo deve refletir a personalidade do seu público. E isso, obviamente, estará ligado ao seu tipo de produto, que já comentamos no tópico anterior.

3 – O nicho de mercado

Já falamos um pouco sobre o fato de que você pode atuar em um mercado mais especifico, né. Isso vai te ajudar muito na hora de criar campanhas mais focadas e vendas mais assertivas. No entanto, ainda não explicamos isso direito.

Saiba que depois de definido o estilo da sua marca será necessário enquadrar o negócio em um nicho de mercado. Aliás, em muitos casos, esse tópico vem em primeiro lugar. Mas, o que importa é que você saiba a importância disso.

Supondo que você vá vender roupas fitness para mulheres que tenham a partir de 20 anos até os 40 anos. Então, esse será o seu nicho. Note que apenas respondendo às perguntas do tópico 1 e 2 você já cria o seu nicho de mercado.

4 – O plano de negócios

Agora, diga você mesmo: o que é que não pode faltar na hora de montar um e-commerce de moda? O plano de negócios, né. Assim, esse plano requer planejamento prévio extenso, que vai incluir tudo aquilo que você tem de ideia.

Mas, você também deve considerar o que é chamado pelos especialistas de Startup E-commerce. Isso nada mais é do que fazer testes de baixo custo, os quais indicam ao empreendedor qual caminho ele deverá seguir.

É uma espécie de jogo-treino, sabe? E o objetivo é muito simples: fazer com que você perca menos dinheiro se o seu investimento não der certo. Por outro lado, se der tudo certo, conforme o plano de negócios, aí é só seguir viagem.

5 – O uso de uma plataforma digital

Conheça 5 dicas simples para montar um e-commerce de moda

E como estamos falando de um e-commerce também não dá para deixar de lado a sua escolha da plataforma e-commerce. Ela será usada para a criação e gestão da sua loja virtual de moda.

Assim sendo, vai depender do método de empreendedorismo que você vai utilizar. Como assim? Saiba que atualmente há pessoas que optam pelo método do Plano de Negócios. Nesses casos, certamente terão uma visão mais consistente do negócio em longo prazo.

Então, a tendência será a escolha de uma plataforma e-commerce top e de linha desde o início.

Leia Também – Veja esse passo a passo para quem vai abrir um MEI para vender roupas

Mas, tem a outra opção, que é para quem está mais focado no jogo-treino, no teste, através do método startup. Nesse caso, a tendência é começar com plataformas pequenas, gratuitas e limitadas para testar conceitos e aplicações. Inclusive, temos uma dica abaixo.

Bônus – aprenda a criar um site por conta própria

É claro que esse não vai ser o ideal se você está com o seu projeto inteiro e pronto para começar. Mas, para quem está testando mercados, nichos e produtos, montar o próprio site é uma ideia inteligente e barata.

Aliás, a gente já criou um conteúdo falando sobre isso. Nele, a gente cita as 4 principais dicas para você montar o seu próprio site: qualidade do conteúdo, categoria, ferramentas e páginas. Veja um trecho do que mencionamos lá:

Uma boa ideia é usar a ferramenta gratuita do Google, o Analytics. Ela vai dar uma ideia geral de como você está sendo visto na internet. Logo, mostra o número de visualizações que você tem em todo o site ou em uma matéria e até mesmo o tempo de leitura”.

Gostou? Portanto, note que tanto para criar um site próprio para vender como para iniciar o seu projeto você não precisa de muito: senão tempo, paciência e conhecimento. Aqui temos uma boa parte disso tudo, sendo que podem ser os seus primeiros passos, para começar.

ANÚNCIO