Para consultores: avaliando a tolerância ao risco

ANÚNCIO

Este foi um ano para testar todos. Os consultores podem ajudar conhecendo as preocupações de seus clientes sobre riscos financeiros.

Este foi um ano difícil para os investidores e 2020 ainda tem vários meses pela frente (dependendo de quando você estiver lendo isso).

ANÚNCIO

As consequências econômicas da COVID-19 impactaram fortemente o mercado de ações. Vimos o mercado atingir máximos históricos em fevereiro apenas para cair abruptamente em março.

Para consultores: avaliando a tolerância ao risco
Foto: (reprodução/internet)

Os mercados se recuperaram bem desde então. Entretanto, tem sido uma jornada bem difícil e ninguém sabe o que vai acontecer no futuro nos meses seguintes por conta dos problemas virais que não acabam mais.

Você provavelmente já fez uma avaliação da tolerância ao risco de seus clientes em um ponto ou outro. Considerando tudo o que aconteceu, este é um bom momento para avaliar ou reavaliar a tolerância ao risco de seu cliente.

ANÚNCIO

Reagindo à volatilidade do mercado

Uma visão informal sobre a tolerância ao risco de um cliente é como ele reage a períodos voláteis no mercado de ações.

Eles geralmente se mantiveram calmos durante a volatilidade do mercado no passado, mas estiveram mais preocupados com a volatilidade deste ano na esteira da pandemia de COVID-19? Talvez sua situação pessoal tenha mudado durante a pandemia devido à perda de emprego ou a uma licença.

Mesmo clientes que podem parecer aparentemente calmos podem estar estressados com a volatilidade dos mercados e o impacto da pandemia na economia.

Cada cliente é um pouco diferente na maneira como lidam com o estresse. Se você não tiver certeza de como seu cliente está se sentindo em relação à volatilidade do mercado, pergunte a ele.

Mesmo os clientes que parecem mais imunes a sentir ansiedade em relação a seus investimentos podem ser mais afetados por preocupações com seus investimentos ao longo do tempo.

Leia também: 6 verdades sobre investimento para lembrar quando o mercado de ações estiver em baixa

Definindo o que significa risco

Risco significará coisas diferentes para pessoas diferentes. O que é importante é o que isso significa para seus clientes.

Não se trata apenas de retornos de investimento. Os investidores podem ver o risco em termos de como as perdas de mercado podem afetar sua capacidade de atingir suas metas financeiras, como aposentadoria ou pagamento pela educação de seus filhos.

Além de saber o que o risco significa para seus clientes, é importante que os consultores os ajudem a compreender outros tipos de risco que podem enfrentar.

Um bom exemplo disso é o risco de inflação. Os clientes podem estar inclinados a se afastar de ativos arriscados, como ações, após uma correção do mercado ou fraqueza econômica para mitigar o risco de perda.

Para todos os clientes, mas especialmente para aqueles que estão se aposentando ou se aproximando, o risco de a inflação corroer seu poder de compra é potencialmente mais devastador do que o risco de perdas temporárias com uma correção de mercado.

Esta é uma conversa importante para se ter com os clientes, seja pela primeira vez ou como um lembrete de por que é importante equilibrar o risco de perda em seus investimentos com o potencial de valorização de que precisam para ajudar a garantir que não sobrevivam a seus ativos na aposentadoria.

Metas financeiras e horizontes de tempo

Um fator importante na avaliação da tolerância ao risco de um cliente é seu horizonte de tempo. Quando os clientes são mais jovens e têm um horizonte de tempo mais longo até que precisem do dinheiro, eles não devem prestar muita atenção às oscilações dos mercados.

Conforme o tempo vai passando, esse cenário pode mudar um pouco, porque eles se dão conta do pouco tempo que têm para compensar e recuperar as perdas expressivas de investimento.

É com esses clientes que os consultores precisam enfatizar a necessidade de equilibrar o risco de queda com a necessidade contínua de valorização de seus investimentos. A alocação de ativos do cliente deve estar evoluindo para refletir sua idade e a necessidade do equilíbrio certo.

Os benefícios da alocação e diversificação de ativos

É importante que os consultores enfatizem (ou talvez reenfatizem) que um portfólio adequadamente diversificado é uma de suas melhores armas para combater o risco. É aqui que entra a alocação de ativos. Embora certamente não elimine o risco, pode ajudar a manter o risco do seu cliente dentro de parâmetros aceitáveis.

Ao definir sua alocação inicial de ativos e em revisões subsequentes ao longo do tempo, conforme sua situação evolui, ilustrar o nível relativo de risco que eles estão assumindo em relação a uma referência apropriada pode ajudar.

No entanto, é importante dar um passo adiante e relacionar isso com o que tudo isso significa em relação à realização de seus objetivos financeiros.

Gerenciar o nível de risco de investimento assumido pelos clientes é um processo contínuo. É importante que os consultores avaliem e reavaliem a tolerância ao risco de seus clientes para garantir que seus conselhos sejam consistentes com seus níveis de conforto.

Traduzido e adaptado por equipe Cotação Seguro

Fonte: The Street

ANÚNCIO