PIX: conheça a novidade do Banco Central

Atualmente, para fazer a transferência de dinheiro entre contas de bancos, há duas maneiras principais, o TED e o DOC. Na primeira, Transferência Eletrônica Disponível, o valor é creditado até às 17h da operação, sem valor mínimo ou máximo para transferência. O Documento de Ordem de Crédito, por sua vez, tem limite de até R$ 4.999,00.

Já as transações efetuadas para pagamentos de contas, é possível utilizar boletos, transações físicas, cartões de crédito ou débito ou com dinheiro vivo. Porém, as opções acima descritas normalmente custam caro, por causa das taxas cobrados pelos bancos, e podem demorar até mais de um dia útil para serem recebidas.

Ciente dessa situação e dos incômodos envolvidos na hora de realizar uma transação financeira, o Banco Central lançou uma nova modalidade de pagamento, o PIX. Nesse artigo, veremos mais informações sobre essa novidade lançada pelo instituição.

PIX: conheça a novidade do Banco Central
Foto: reprodução/internet

Conheça o PIX: novo serviço de operações financeiras em tempo real

O PIX é um método instantâneo que permite a realização de transferências e pagamentos em poucos segundos, e que funcionará 24 horas por dia, sete dias por semana. A novidade foi anunciada em 19 de fevereiro de 2020 pelo Banco Central, autarquia federal responsável pela regulamentação e supervisão de todo o Sistema Financeiro Nacional.

Essa nova modalidade facilitará a transferência de valores entre as pessoas e até mesmo o recolhimento de impostos e taxas, de maneira rápida, ágil e simples, sem que precise ser cobrada nenhuma taxa sobre essas operações. Dessa maneira, elas acontecerão em tempo real e sem a intermediação de terceiros.

ANÚNCIO

Esse tipo de operação já existe nas transferências entre contas de um mesmo banco, que são instantâneas: o dinheiro sai da conta do pagador e entra na conta do recebedor na mesma hora. Com o PIX, essa possibilidade será estendida a todas as outras transações financeiras.

Como fazer pagamentos com o PIX?

Conforme o Banco Central anunciou, o PIX poderá ser usado para transações entre:

  • Pessoas físicas;
  • Pessoas físicas e estabelecimentos comerciais;
  • Estabelecimentos;
  • Órgãos governamentais (quando forem pagos impostos e taxas);

Para isso, a única exigência é que tanto quem paga quanto quem recebe tenha uma conta em banco, mesmo que sejam de bancos diferentes. Tais contas não precisarão ser necessariamente correntes, uma boa notícia para aqueles que só tem conta poupança.

Essas operações poderão ser realizadas de forma mais tradicional, pela inserção de dados como número de celular, e-mail, CPF ou CNPJ, ou mais tecnológicas, através de leitura de códigos QR, que poderá ser lido por qualquer smartphone e se dividem em dois: estáticos e dinâmicos.

QR Code Estático

O QR Code Estático poderá ser utilizado em várias operações diferentes, nas quais será definido um valor para um produto ou de um valor qualquer pelo pagador. Isso facilitará a transação entre duas pessoas, por exemplo.

QR Code Dinâmico

O QR Code Dinâmico, por sua vez, apresentará informações diferentes a cada transação, além de poder incluir informações adicionais sobre a operação. Essa pode ser uma boa opção para pagar compras comerciais, mas é importante destacar que maiores detalhes sobre isso ainda não foram divulgados pelo Banco Central.

Já posso utilizar o PIX?

Segundo o anúncio dado pelo Banco Central, esse novo serviço será lançado a partir de 3 de novembro de 2020, e todas os bancos e fintechs com mais de 500 mil contas ativas deverão se adequar até a data tanto para receber quanto realizar o PIX. Com isso, a expectativa é que todo o sistema esteja funcionando a partir de 16 de novembro.

ANÚNCIO