Seguro de Danos a Terceiros… Saiba Tudo em 5 Passos?

Essa é uma cobertura considerada, pelos especialistas, tão importante quanto a proteção do seu próprio veículo no seguro de um automóvel. Essa importância é constatada por quem já precisou usar, afinal, só assim é possível saber quanto ela pode ajudar a economizar dinheiro no caso de acidentes.

Ela funciona exatamente quanto estamos envolvidos em um acidente e somos “culpados” pelas irregularidades.

Confira abaixo um breve passo a passo de como funciona essa cobertura!

1 – Funcionamento

O seguro de danos a terceiros se divide da seguinte forma:

  • Cobertura Opcional dentro do seguro total, que é feito durante a contração do seguro para o seu carro, na qual você pode escolher se deseja essa cobertura para terceiros, ou
  • Seguro Específico somente para Danos à Terceiros com cobertura única e exclusiva para esse tipo de dano.

2 – Tipos de Danos

Esses danos a terceiros são considerados da seguinte forma:

  • Danos Materiais: também chamado de RCF-V Material e é uma cobertura que garante que o motorista segurado ao participar de um acidente com outro proprietário tenha os prejuízos cobertos até o limite máximo contratado na apólice,
  • Danos Corporais: também chamado de RCF-V Corporal é uma cobertura quem garante ao segurado o prejuízo até o limite máximo, quando ele atingir uma pessoa, por exemplo, um pedestre ou ciclista.

RCF-V = Responsabilidade Civil Facultativa de Veículos!

3 – Cobertura Mínima

O valor de cobertura mínima pode variar conforme a companhia, porém, em ambos os tipos costuma ser de 50 mil reais, mas há a opção de um mínimo de 100 mil reais, que deve ser exigido na hora da contratação.

Em caso de danos materiais, o mais importante é pensar no risco de engavetamentos, por exemplo, que pode te tornar responsável pelos prejuízos de diversos carros e não apenas um.

Aí, pode-se pensar no risco de acidentes com carros importados e de alto valor, além de colocar em risco estabelecimentos e bens públicos, como postes.

Já para os Danos Corporais, o valor de cobertura, na teoria, tem que ser maior ainda já que uma lesão corporal ou a morte de terceiros pode gerar uma indenização a ser pago, o que deve ser um valor exorbitante. Nesse caso, o mínimo aconselhável é de 100 mil reais.

4 – Franquia

A cobertura de terceiros não tem o valor da franquia. Normalmente, as seguradoras preveem uma franquia de terceiros apenas para os veículos diferenciados, como ambulâncias, viaturas policiais ou carro forte.

Portanto, se você acionar a sua cobertura de terceiros para uma vítima, então, não terá custos além do preço já pago pelo seguro. O que vai acontecer é que você perderá aquele bônus que é concedido na renovação do seguro.

É importante saber que a franquia é obrigatória apenas se você optar por usar o seguro para consertar o seu veículo.

5 – Pré-Requisitos

O pré-requisito básico para ter a cobertura a terceiros é que os danos causados a ele tenham sido proporcionados pelo segurado. Logo, se a “culpa” não for do segurado, então, os prejuízos não será dele e, portanto, não serão cobertos pelo seguro do segurado.

Importante: Depois de acionada, a seguradora fará uma análise para concluir de quem é a culpa. E o seguro vai cobrir os danos até o limite máximo da indenização contratada.

ATENÇÃO: tudo tem que ser feito através da abertura de um sinistro. Para tanto, serão solicitados documentos pessoais e orçamento de oficinas mecânicas. Assim, a seguradora pagará diretamente à essas oficinas o valor cobrado pelo serviço.

No caso de perda total, o valor vai para o proprietário do veículo, conforme tabela FIPE.

Com informações do muquiranaseguros e tacerto