Seguro Popular pode ficar em 1 mil reais mais em conta do que o Seguro Tradicional

O Seguro Popular foi firmado em abril de 2016, mas já sofreu várias alterações.

Para quem ainda não conhece, essas apólices tem preços mais baratos do que os tradicionais, entre outros motivos, por permitir o uso de peças remanufaturadas, ou seja, que são procedentes dos desmanches ilegais, não sendo, portanto, originais.

“A modalidade não deixa de ser uma boa oportunidade para aqueles que necessitam de um seguro. Mas é preciso ter a segurança de que se está lidando com empresas idôneas, que vão se responsabilizar pelo produto que estão oferecendo”, diz a coordenadora da Proteste Maria Inês.

O serviço ainda é oferecido por pouquíssimas seguradoras, como a Tokyo Marine e a Azul Seguros, que comercializam o contrato apenas em alguns modelos.

A questão a ser analisada é devido á qualidade dessas peças.

Obviamente que elas são mais baratas e tendo uma qualidade garantida, pode ser considerada uma boa opção ao usuário que está passando por dificuldades financeiras, mas não quer abrir do seu seguro.

PROPAGANDA

“A intenção do órgão regulador é garantir que haja oferta de peças para atender a demanda, o que não seria possível hoje apenas por meio das empresas legais de desmontagem. As peças genéricas, desde que tenham as mesmas especificações técnicas da fabricante do veículo, são uma alternativa”, garante Eduardo Dal Ri, vice-presidente da SulAmérica.

Pensando nessa proposta, o site Bidu fez uma simulação com os valores dos seguros de carros populares: Gol, Celta, Ka e Clio. E, acredite, a economia pode ser de até 1 mil reais.

Outros estudos preliminares chegaram à conclusão de que o “desconto” deve ficar entre 5 e 15%. Porém, a análise depende de cada seguradora, em cada região e com o perfil do cliente. Fatores determinantes para a contratação do seguro do carro.

Seguro Popular pode ficar em 1 mil reais mais em conta do que o Seguro Tradicional

Reprodução: Google

“O consumidor tem que ter a certeza de que está sendo colocada uma boa peça, que não vai comprometer o desempenho, a segurança e nem modificar as características do veículo, fatores que seriam motivos para o cliente buscar seus direitos na Justiça”, aconselha Maria Inês, que fala ainda sobre o Código de Defesa do Consumidor, que protege para o uso de peças sem consentimento.

Comparação do Seguro Popular com o Seguro Tradicional

Para efeitos de comparação, foi usado o perfil de um homem casado, de 35 anos, sem filhos e com garagem no trabalho e em casa, ambos na cidade de São Paulo.

Também é preciso levar em conta que existem diferenças entre as coberturas, como no valor da franquia e dos itens cobertos. Portanto, o mais importante de tudo, além das pesquisas e comparações, é consultar um corretor de seguros e escolher o produto mais adequado.

“Nessa hora, o corretor tem um papel fundamental, pois é a pessoa treinada para informar, com transparência, o que vem com cada produto. É dado o direito de escolha. Se o consumidor quer o produto mais completo e, portanto, mais caro, fica com o tradicional. Mas, pode optar pelo popular”, garante Luiz Pomarole, vice-presidente da Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg).

E, apesar de o Seguro Auto Popular ter como foco carros com mais de 5 anos, qualquer pessoa pode optar pelo produto, desde que seja avisado sobre os reparos com peças usadas, seminovas ou adquiridas no mercado alternativo.

Com informações do boainformação e globo

 

PROPAGANDA